maio 15, 2020

Cuidados com a saúde mental dos Profissionais de Saúde

Este é um momento ímpar e todos nós, profissionais, pacientes, familiares e população em geral, estamos passando por uma situação nova que atinge o mundo todo. Neste momento, dúvidas, medo, insegurança e fragilidade psíquica aparecem. Abaixo algumas dicas do que podemos fazer para cuidar de nós profissionais de saúde e de quem está por perto e apresenta sofrimento emocional.

1 – Apoie os colegas da equipe multiprofissional, que podem estar em sofrimento emocional. Pergunte como estão se sentindo, como está o trabalho, seja proativo, devido a sobrecarga os profissionais podem estar em sofrimento e não manifestarem.

2 – Siga as normas de segurança para realizar o seu trabalho, higienize as mãos com frequência e utilize todos os EPIs de acordo com a necessidade do local ou do tipo de paciente atendido para se manter seguro.

3 – Pensamentos do tipo: ”estou assintomático e posso estar passando o vírus para outra pessoa”, ou “posso levar o vírus que está presente no meu local de trabalho ou quando me desloco para minha casa e meus familiares” podem aparecer. Neste momento vale você relembrar o motivo pelo qual está saindo de casa e de todas as medidas que você, profissional de saúde, está tomando para evitar um contágio, se reassegure que um dia você escolheu trabalhar na área de saúde e que neste momento você é essencial e está fazendo tudo corretamente e em prol de cuidar da vida de pessoas.

4 – Coloque uma atividade prazerosa no seu dia, reserve um momento para você. São muitas notícias, algumas verdadeiras e outras falsas que chegam até nós, além disso, trabalhar em um momento assim exige muita energia. Portanto, faça uma pausa para você: escute música, leia, assista um filme, faça um exercício em casa, cozinhe, jogue um jogo, medite, faça algo que lhe dê prazer e que faça com que naquele momento você esteja fazendo algo que faz na rotina. Busque este lugar de normalidade, isto é saudável nos permite vivenciar que nem tudo está alterado, existem muitas coisas que podemos fazer e outras que temos que adaptar.

5 – Encoraje as pessoas que falem sobre seus sentimentos e pensamentos com outras pessoas, sejam colegas, amigos ou familiares, seja de maneira presencial porque está no trabalho, seja à distância, pois quando não se trabalha também há o confinamento.

6 – Por fim, se mesmo fazendo todas estas ações ainda observar um colega angustiado ou você mesmo, não se sinta mal por sentir assim, é perfeitamente aceitável que nós, psicólogos e profissionais de saúde, não nos sintamos bem, pois afinal também estamos lidando uma situação que é nova e diferente.

Fontes: Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein (SCIH) e Conselho Federal de Psicologia.

Foto: Ani Kolleshi

Esse é um texto informativo e não tem o objetivo de esgotar o assunto ou substituir consulta com um profissional especializado. Caso você se identifique com o texto, sugiro procurar a ajuda de um profissional que tenha conhecimentos teóricos e experiência prática na área.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir What's
Agende
Olá, agende aqui sua consulta
Powered by